2 de ago de 2015

Paradise Lost: parte 5

Um pouco de água em seu rosto e mais uma vez estava acordado, muito bem acorrentado por sinal pois mal conseguia mover um musculo, deixando isso de lado ele abriu os olhos e a primeira coisa que pode perceber é que não estava no mesmo lugar, aquele era mais iluminado e até mesmo o cheiro se diferenciava do outro local, antes que pudesse pensar mais foi interrompido pelo cruzado de direita de sua captora...
-Me diga onde escondeu a máquina!
-Maquina, do que você está falando?
Mais um cruzado e ele pode ver que ela estava falando sério, mas mesmo assim ele não poderia entregar está informação então deixando isso de lado ele decidiu tentar descobrir quem era ela.
-O que me diz de deixarmos isso de lado e falarmos apenas sobre nós dois, pizza e uma seção de cinema na minha casa?
Ele sorriu e ela saiu da sala por um segundo, então ela voltou com um taco de ferro e ele percebeu que seria um longo dia.
-Então sua determinação é grande o suficiente para correr, se esconder no lixo, fugir daquele guarda obstinado, passar fome e ser torturado, por acaso está tentando morrer?
-Sim, mas e a pizza...se não estiver a fim posso come-la sozinho, sabe como é, eu não trabalho bem depois de passar mais de dois dias sem comer.
-Eu não gosto de pizza e aqui não há pizza, apenas diga onde está a maldita máquina!
-Me diga quem é você e talvez eu conte, mas francamente, quem é que não gosta de pizza...você é humana por acaso?
Ela tirou o capuz e soltou o cabelo que era azul, ela tinha uma franja que era grande o suficiente para cobrir seu olho direito, ela tinha olhos verdes e ele não pode deixar de pensar que ela era linda.
-Meu nome é Ágata e sou uma mercenária, satisfeito agora?
-Ah, então você também é mercenária, que tal fazermos o trabalho juntos e dividir o dinheiro?
-Se você parar com essas malditas piadas eu te solto, nunca foi meu objetivo te prender mas acontece que você falar demais!
-Me solte logo, eu estou com fome.
-Ok.
-Agora deixando isso de lado, vamos até minha casa, eu preciso contatar meus empregadores e pegar meu equipamento.

Quando saiu daquela sala pode perceber que era uma casa, uma menor isolada de uma mansão, a casa dela com certeza era enorme, deixando isso de lado ele começou a refletir sobre quem foram seus primeiros captores, uma vez que aquele não era o mesmo lugar, mas bem, naquele momento tudo era incerteza, menos a parte onde comeria pizza.

~DarkSoul

Curtam a caverna de ideias no facebook 

Nenhum comentário:

Postar um comentário