22 de jan de 2016

Kit Black: Viajantes de Mundos

Quinto capítulo: Escamas e muito fogo! (parte IV).


Kit se escondeu pela enésima vez atrás de uma rocha, enquanto outro daqueles monstruosos dragões cruzava o céu acima deles. Manteve o pequeno filhote enrolado em sua capa, o que o deixava com apenas a cabeça escamada de fora, o que não o impedia de abocanhar algumas mechas de cabelo da garota quando chegavam perto demais.
-Aie… não faça isso… -Dava um peteleco no focinho do ser e voltava a se levantar, olhando Mitaray e acenando para o mesmo. Eles já se encontravam no local combinado, de modo que tinham que ter o triplo de cuidado… O rapaz de cabelos prateados caminhou até ela e olhou em volta.
-Onde estão os outros?
-E como eu vou saber?
Ele revirou os olhos com suavidade, passando a mão na cabeça da mesma. –Calminha…
-Não me trate como se eu fosse uma criança… -Ela fez uma expressão zangada e tentou mais uma vez forçar o dragão em seu colo a largar seu cabelo. Seus olhos treinados vasculharam o local uma vez mais, e esta subiu na rocha para ter uma vista mais ampla. Era como olhar para um castelo feito de pedra e fogo, e se estendendo por metros acima. –Não podemos nem nos mexer direito, de quem foi a ideia de nos encontrarmos aqui?
Dava de ombros. –Não me lembro… -Ele parou no meio da frase para apontar em frente, para praticamente o lado oposto do desfiladeiro que separava a cordilheira das montanhas menores que formavam o Berço. Uma dupla familiar se deslocava daquele lado, e ao notá-los fizeram o que parecia ser um sinal de mãos. Depois de um tempo que parecia interminável, eles se reencontraram. Hiei, deixando-se cair sentado sobre o platô em que agora estavam, se espreguiçou e exibiu a mochila, aparentemente cheia.
-Conseguimos as escamas de um dragão morto… -Anunciou Ken.
-Se vocês conseguiram tirar as escamas, adormecido é que ele não estava não é, amor… -A garota murmurou com um ar de troça, o que fez o namorado olhá-la de esguelha.
-Quis dizer que já estava morto quando nós o encontramos, querida… aliás, morta… era uma fêmea…
Hiei fez uma careta de desgosto. –Não fiquem discutindo o sexo de um dragão morto, é antiético…
-Sem dúvida alguma que é… -Mitaray sorriu e recostou-se em uma rocha. –Significa que já podemos ir… -Olhou de modo metódico para o ninho de dragões. –Uma pena que não posso estudá-los por mais tempo…
-As vezes me pergunto se você é realmente são… -Hiei jogou uma pedrinha contra o amigo, que a pegou com uma mão só e não fez a menor questão de responder ao seu comentário, como já era esperado.
Neste meio tempo o dragão já havia ficado tanto tempo no colo de Kit que tinha adormecido, mas talvez o cheiro que chegava com as escamas recém-conseguidas tivesse chamado sua atenção, porque o ser acordara e se desvencilhara dos braços de Kit para fuçar na mochila. O que, sem dúvida, causou um rebuliço no pequeno grupo.
-A Gatinha-Meio-a-Meio conseguiu um bichinho de estimação… espera… -Hiei parou para pensar por alguns instantes antes de apontar para ela. –Está mancomunando com o inimigo!
A jovem revirou os olhos e tacou a capa sobre a cabeça dele. –Cale a boca e pare de me chamar assim…
-Não está pensando em levá-lo, está? –Perguntou Ken, chegando alguns passos para perto e desviando a tempo de evitar um jato de fogo. –Isso ai é uma arma mortífera.
-Podíamos arrancar as escamas e juntar com as que já temos… -Hiei disse em tom de brincadeira, mas apenas recebeu um olhar mortal da garota.
-Ninguém toca no dragão. Ele é um filhote indefeso e eu vou deixá-lo com os outros da sua espécie antes que aconteça alguma catástrofe… -Ela resmungou, voltando a pegar o dragão e enrolando-o na capa, que havia tirado de cima do amigo segundos antes.
Ken suspirou pesadamente. –Okay, okay… imagino que Mitaray esteja adorando isso. –Ele lançou um olhar ao dito cujo, que mantinha a expressão impassível, mas a qualquer minuto poderia sorrir. Voltou seu olhar para a namorada. –Vamos levar seu amiguinho para o mais perto possível e voltar…
Ela apenas sorriu docilmente, em sinal de agradecimento, e começou a andar, mas algo a fez empalidecer e dar dois passos atrás. Uma sombra colossal se interpôs em seu caminho, seguida de seu dono… um dragão igualmente gigantesco, de escamas enegrecidas. Ele parecia mais envelhecido, de uma forma estranha… as asas estavam meio ressecadas, e por mais que seja estranho e desfigurado a face… ou fuça, ou seja lá o que seja que os dragões têm no lugar do rosto, a dele era ainda mais… era como se fosse um ancião. Ele rugiu em frente a garota e tentou abocanhá-la, mas ela girou a tempo de evitar os dentes da fera, se posicionando mais atrás.
-Odeio quando esse tipo de coisa acontece…
Ken desembainhou sua espada, ao mesmo tempo em que Hiei preparava seu cajado e Mitaray puxava sua foice em estado de alerta, girando-a entre os dedos ágeis. O dragão girou a calda, derrubando desta vez os três ao mesmo tempo, por estarem ainda preocupados com a cabeça. Kit largou temporariamente o filhote e pegou seus leques metálicos, jogando-os contra o ser, o que não fez muita diferença. As armas de prata pura bateram contra as escamas e por algum milagre continuaram inteiras, mas foram ao chão sem causar qualquer dano. Ela praguejou e desviou de uma patada, conseguindo recuperar as armas e ganhando terreno novamente. O monstro agora estava com sua atenção virada para ela, o que dera tempo suficiente para os outros três se prepararem. Ken foi para a direita e passou a espada pela pata traseira do dragão, o que se tornou igualmente ineficaz. Hiei atravessou acertou uma das asas, que pareciam mais frágeis, mas como sua arma não era própria para cortar escamas, isso só serviu para fazer o animal mais furioso. Um rugido mais alto se fez ouvir e ele agitou as asas, fazendo-os ir para trás com a pressão. Uma voz rouca e poderosa chegou aos ouvidos de todos eles.
Vou devorá-los para servirem de exemplo para outros mortais tolos… Deixei bem claro que não queria humanos em meus domínios…”
-Nos domínios dele? –Kit levou uma das mãos ao rosto para evitar que areia vermelha caísse em seus olhos. –Ele não seria…
-O atual Rei dos Dragões do território… -Mitaray chegava por trás deles, aparentemente neste mesmo instante. –Isso não é bom…
-Onde você estava? –Protestou Kit.
-Procurando por pontos fracos no corpo dele… -Ele apontou para o monstro. -Como Ken sugeriu…
-Eu não sugeri coisa alguma, isso veio de Cloe…
Ele calou-se para rolar e desviar de um segundo ataque da longa calda espinhosa. Kit não teve tempo de argumentar muita coisa, quando a mesma calda voltou no meio do golpe e se enroscou em seu corpo franzino, começando a apertá-la. Ela arfou, sentindo seus ossos estralarem e juntando folego para gritar aos outros. –Seja lá qual for o plano, façam logo…
Não haverá escapatória… vou devorá-los um por um… a começar por você, garota-gato…”
A criatura apertou mais e levou a calda para cima, de modo que ficasse em frente a sua cabeça. A garota pôde sentir o bafo quente e grotescamente fétido em seu rosto e não conseguiu conter uma careta. –Mesmo que coma só lava e rocha, ainda cheira a podridão…
Cale-se e morra.”
Ele tentou dar uma dentada, mas uma estocada simultânea de Ken e Hiei em suas asas o fez recuar e abrir as asas, quase os acertando. Quando voltou seus olhos para a presa, viu o que parecia ser um filhote escalando a extensão de sua calda e cravando os dentes afiados na mesma… aparentemente suas escamas não eram a prova de mordidas dos seus semelhantes. Agitou o corpo e soltou a garota, que caiu no chão de pé e teve tempo de segurar a criaturinha que tinha sido jogada pelo movimento brusco. Ainda sentia seus ossos estranhos e algumas partes do corpo doloridas… teria de pedir para Cross curá-los quando voltasse à sede.
-Bom garoto. –Ela coçou a parte de trás da cabeça do dragão e deixou-o no chão. –Para trás, já estou bem…
O ser inclinou a cabeça fina em sinal de interrogação, mas saltou velozmente para trás quando a calda foi na direção deles novamente. Desta vez a garota teve tempo de saltar por cima e usou-a como escada, subindo pelo dorso do dragão. Quando chegou por trás do pescoço, utilizou-se de uma magia que estava começando a aprender com Cross, que tinha como base a materialização de qualquer coisa… como era ainda uma aprendiz, não podia utilizá-la em toda a sua extensão, mas era boa o suficiente para criar um fio metálico e grosso que conseguiu passar pela bocarra da fera quando esta rugiu uma vez mais e prendeu-a, como se fosse uma mordaça. Ela puxou com toda a força que tinha a cabeça em sua direção, fazendo-o ir para trás e desequilibrar.
Maldita humana…”
O rugido desta vez saiu estrangulado. Quando Kit puxou o dragão fez com que seu abdômen fica-se exposto, e Mitaray conseguiu enterrar sua foice no local, rasgando até onde pôde. O mostro grunhiu pesadamente, agonizando até que a hemorragia e o extenso ferimento o fizeram serrar os olhos para sempre.
Kit suspirou profundamente, deixando-se escorregar do corpo enorme e tocando o terreno elevado abaixo de si. Lançou um olhar quase que de pena para o antigo Rei… aquele sem dúvida nenhuma era um tipo de morte indigno para alguém daquela estirpe. Perguntou-se uma vez mais porque Mitaray tinha sucesso onde eles falhavam… seria a arma que ele carregava ou simplesmente atingira um local certo? Mesmo que fosse a segunda opção, por mais velho que aquele dragão era, não entedia como podia morrer tão… facilmente… quer dizer, mesmo com um golpe daquele ele ainda teria força para fazer um estrago. Mas não ficou muito tempo pensando nisso. O dragãozinho se enrolou em sua perna e começou a escalá-la, logo chegando ao pescoço da mesma e parando ali.
-Hei… isso é um abuso…
-Ele realmente gostou de você, e foi muito corajoso enfrentado o Rei dos Dragões. –Mitaray limpava a foice, logo a prendendo as costas novamente.
Ele não é quem parece ser…”.
Aquela voz familiar dentro de Kit afirmou, antes de continuar, no mesmo tom: “Nenhum dos dois”.
O que quer dizer com isso?”.
Mas a voz calara-se novamente, e a pergunta ficou sem resposta… ela já deveria ter se acostumado com isso. Suspirou profundamente, balançando a cabeça e responde finalmente a Mitaray. –Ele tem que ficar com os de sua espécie…
-Não estou contestando isso, mas se esse é o caso, e é isso que realmente quer, não deveria criar laços… -Ele sorriu para ela.
Resmungou qualquer coisa em resposta. Hiei levantou um dedo. –Mas acabamos de matar o Rei deles, o que significa…
Um segundo rugido, tão alto quanto o do dragão morto e ainda mais grave, fez com que eles se arrepiassem.
-De novo não… -A garota deixou escapar um gemido. Um segundo dragão se aproximava, e este parecia mais jovem e vigoroso. As escamas tinham um tom esverdeado, fazendo contraste com os olhos vermelhos vivos. Mas ao contrário do que o primeiro fizera, este se prostrou em frente a eles e começou a se comunicar. A voz era metálica, como se ele falasse por um megafone… ou pensasse, já que os dragões, em sua maioria, valiam-se de telepatia para se comunicar com humanos.
Salvem, criaturas…”
-Como “Salvem, criaturas”, se nós matamos o seu governante…
Kit deu uma cotovelada forte em Hiei antes que ele falasse mais coisas que não devia. O filhote ainda mantinha-se enrolado em seu pescoço e esta deu alguns passos a frente, abaixando a cabeça humildemente. –Sentimos realmente muito, apenas estávamos nos defendendo…
A partir do momento que entram em território proibido, já deveriam esperar por esse tipo de reação…” –A criatura abaixou a cabeça, passando a calda em volta deles, num círculo fechado, como se estivesse impedindo uma provável fuga. “Mas isso não é mais lei… o ser que mataram a muito estava desvirtuando nossa raça, afundando-a cada vez mais… não iriamos durar muito caso isso continuasse…”.
-Er… quer dizer que fizemos um bem a vocês…? –Ken coçava o queixo, enquanto Hiei complementava, comentando baixo em seu ouvido. –Temos que matar dragões loucos com mais frequência…
O dragão inclinou a cabeça enorme e pôs-se a observá-los. “Creio que seja exatamente isso… como compensação deixarei que partam inteiros e sem mais problemas… e quando ousarem voltar terão minha proteção… mas advirto que isso não seria nada inteligente da vossa parte…” –Os grandes olhos rubros piscaram antes de se focar a criatura sobre os ombros de Kit. “O que pretendem fazer com ele?”
Ela, que ainda estava com a cabeça baixa, franziu o cenho e endireitou-se. –Estava pensando em leva-lo ao Berço de Chamas…
Isso não é possível.”
-Por quê? Ele é da sua espécie, não é?
Ele balançou a calda gigantesca, voltando minutos depois a refazer o círculo, antes de continuar. “Ele pertence a uma espécie herbívora, extremamente rara… por este motivo, só pode permanecer neste lugar enquanto na fase de ovo… a partir do momento que eclodiu, terá de se alimentar de ervas e plantas, e se não reparou ainda…” –E ele ergueu a pata dianteira, como se fizesse um gesto ao redor. “Isso não pode ser encontrado aqui…”.
A jovem pareceu profundamente desapontada, mas não ousou reclamar… aquilo fazia muito sentido… Okay, ele tinha asas, mas não conseguiria usá-las tão cedo, e até que pudesse provavelmente já teria definhado até secar. –Hum… obrigada mesmo assim…
Ele recolheu a calda com desenvoltura e passou-a pelo corpo. “Quando necessitarem retornar, digam que estão sob a proteção de Raegar… o atual Rei dos Dragões…” –Ele agitou as longas asas membranosas e planou, tirando o corpo pesado do chão. “Agora vão, antes que alguns dos meus irmãos confundam-vos com o jantar…” –Com uma segunda batida mais potente ainda, ele fez com que seu corpo desse uma volta completa e se afastou, até sumir dentro do ninho. A tensão desapareceu quase por completo, e os quatro se entreolharam.
-Eu conheço essa sua cara… e digo que não é uma boa ideia… definitivamente, Iris vai matar você se fizer isso… -Argumentava Ken, enquanto olhava para a namorada de esguelha, a qual tentava enrolar o filhote de dragão novamente em sua capa.
-Vocês são tão insensíveis, ele é apenas um filhotinho indefeso…
-É um dragão. -Ele replicou, com um ar cético.
-E dai, continua sendo um ser vivo…
-Ai, ai… depois não diga que eu não avisei… -Deu de ombros suavemente e se dirigiu ao corpo do antigo rei, começando a arrancar com certa dificuldade algumas escamas… já que estavam ali para isso, era melhor aproveitar a oportunidade. Enquanto o rapaz fazia este trabalho nem um pouco agradável, Kit voltou-se para os outros dois. –Não vou perguntar a opinião de vocês, não quero saber.
Eles se entreolharam.
-Por mim tanto faz…
-Desde que ele não resolva me comer… -Foi o comentário de Hiei, antes de continuar. –Cloe é realmente um gênio…
A garota observou-o, perguntando-se como ele conseguia mudar de assunto tão rápido. –Isso fazia parte do plano…?
-Sim, a única arma entre as nossas que poderia matar um dragão é a foice dele… suficientemente afiada para rasgar escamas e… -Ele parou no meio da frase, provavelmente se lembrando que não podia continuar sem revelar algo importante. Abriu um sorriso amarelo. –E…não é que ela tinha mesmo razão?
-Isso não me agrada nem um pouco, se quer saber… -Ele ainda mantinha o olhar tranquilo, enquanto tocava a foice em suas costas com o dedo indicador. –Mas não havia alternativa…
-Não… não havia… -Ela viu Ken retornar limpando as mãos na calça e carregando a sua mochila.
Vamos, não tem mais nada a se fazer por aqui…

-Tem razão… antes que eu ceda a pena… -Ela aconchegou o dragão em seus braços e começou a subir novamente, tomando o cuidado de não escorregar. Já havia encontrado dragões suficientes para um dia só, e a única coisa que pensava era em chegar à sede e tomar um banho gelado… talvez isso afastasse aquela queimação que ela sentia dentro de si, que parecia aumentar a cada segundo…

~Kit Black

Nenhum comentário:

Postar um comentário