1 de abr de 2016

Recomendações de RPGMaker da Ame-chan



Bom dia, boa tarde, boa noite (sabe-se lá que hora o caríssimo leitor vai visitar esse post). É dia de mais uma recomendação minha (atrasada como sempre, mas fazer o que, é da vida isso). Seguindo a linha da recomendação passada, hoje teremos… tã, tã, tadã – insira uma trilha sonora legal por aqui.

Wadanohara e o Grande Mar Azul

Antes de tudo, já deixo avisado que esse será o segundo e último jogo de Mogeko que recomendarei aqui, por alguns motivos: um, ele ainda não lançou outro que eu possa jogar além de Castelo Mogeko. Dois, por alguma razão eu não curti tanto C.M. como os outros dois jogos dele, então deixei-o de fora (até porque não cheguei a pegar o outro final do mesmo). O que posso dizer sobre ele, contudo, é que é mais bizarro do que The Gray Garden e Wadanohara juntos, o que quer dizer que a parada é realmente sinistra.
E o que Wadanohara tem de tão tenso?
Oh, muitas coisas, mas seria spoiller mencioná-las. Só devo dizer que o jogo começa super-fofinho e vai ficando extremamente sinistro quando vai se aproximando do fim.
Ele segue o mesmo estilo de The Gray Garden, com algumas modificações em quesito evolução, já que é o segundo jogo de Mogeko. O foco continua sendo pesado na história, aliás, a história é realmente incrível. O problema de cruzar várias extensões de um lado para o outro persiste, mas em menor quantidade de TGG. Se você não conhece nada da obra de Mogeko após ler este post, recomendo que comece a jogar por TGG, depois Wadanohara e por fim Castelo Mogeko, assim poderá ter uma ideia interessante da evolução de sua técnica. 

A heroína da vez é Wadanohara, ou Wada, uma nova bruxa do mar, que está voltando para sua casa (o Grande Mar) depois de um tempo fora. Junto a ela estão seus familiares: Memoca, Dolphi e Fukami. Quase chegando a seu destino, ela reencontra Samekichi, um tubarão, que tenta convencê-la (de maneira muito desagradável) a ir embora. A partir daí, a história começa a se desenrolar em cima de um perigo que o Grande Mar Azul está correndo, devido a invasão de um outro Reino. Mas nem tudo é o que parece, e acontecem inúmeras reviravoltas na trama.
Wadanohara e o Grande Mar Azul tem personagens pra cacete, então só vou citar os mais importantes. Mais uma vez, Mogeko nos faz jogar a maior parte do game com um grupo de quatro personagens, entre eles a principal, Wadanohara.

Wadanohara → Atual bruxa do mar, uma garota nova em fase de crescimento. É extremamente bondosa e altruísta, embora seja muito lerda pra perceber certas coisas. Com o decorrer do jogo, seu passado vai sendo revelado.
Memoca → Uma gaivota, de temperamento enérgico e tendência a gritos.
Dolphi → “Uma” golfinho, aparentemente medrosa quando o assunto é tubarões. É bastante tímida e chora demais.
Fukami → Um polvo, o último dos companheiros de Wada. É bem frio, mas ainda assim é bastante paciente. Ele parece gostar de Wadanohara de uma forma mais profunda que amizade.
Samekichi → Um tubarão, ranzinza, e com uma personalidade extremamente forte. Tenta de todas as formas afastar Wadanohara do mar, e é visto como traidor por seus moradores (e eu só direi isso huhu)
Bem, eu adoraria fazer uma lista grotescamente gigante de personagens, mas a preguiça é mais forte, e tem uns que não são naaaada relevantes. Então vamos para a parte que interessa: como pegar os finais.
Wadanohara conta com dois finais ruins no meio do jogo e mais três finais distintos para fechamento. Uma curiosidade interessante deste game em particular é que Mogeko te força a pegar todos esses três finais, sendo que apenas o último é considerado “verdadeiro”. É um modo bem prático, porque não precisamos ficar quebrando a cabeça para pegar tal final ou outro, nem recomeçar o jogo de tal ponto para mudar o final. Em compensação, a ordem para abrir cada um vai do pior final possível até o melhor, ou seja, você vai chorar alguns litros ou ficar bem chocado antes de conseguir o final verdadeiro. Mas afirmo, categoricamente, que vale a pena pegar todos os três.
De qualquer forma, vamos por partes:

  • Final Ruim 1: Fuja da batalha contra o Orca.
  • Final Ruim 2: Quando Samekichi é pego, mais pro final do jogo, escolha salvá-lo em vez de seguir em frente.

Dica especial: para os próximos finais, salve depois da batalha com o chefe antes de falar com Samekichi e continuar o jogo. Na primeira vez só estará disponível o primeiro final normal, e assim que o jogo for finalizado, depois dos créditos, vai haver a opção para continuar ou voltar ao título. Continue para pegar o segundo final e faça o mesmo para desbloquear o último.

  • Final Normal 1: Escolha a única opção disponível depois de lutar contra o chefe final.
  • Final Normal 2: Escolha a outra opção que estará disponível.
  • Final Verdadeiro: Escolha a última opção (um monte de pontinhos).

Outra coisa… no final verdadeiro a história continua depois dos créditos finais, então não feche o jogo! Essa é a melhor parte. Assim que terminar esse final, a sala bônus vai aparecer, lá tem imagens, videos especiais e fichinhas dos personagens que aparecem no jogo.
Lembrando que esse jogo tem cenas de conteúdo sexual (ainda que não explicitamente) e violento, portanto não o jogue se tais coisas o incomodam ou se for menor de idade (como se alguém ligasse pra isso hoje em dia, mas avisar nunca é demais).



Como sempre, a tradução para o português é da equipe do Zero Corpse. Deixarei o download em português aqui em baixo como sempre, se quiserem jogar por outra lingua se virem nos trinta ai (achar isso aqui em inglês deve ser muito fácil). 



Espero que curtam o joguinho da semana.
Nos vemos na próxima (espero, pelo menos :v)

~Kit Black

Nenhum comentário:

Postar um comentário