7 de jan de 2016

Sobre Azul é a Cor mais Quente

Hey, galera das trevas!

Nesse post vamos papear um pouco sobre um livro que me marcou muito. Dentre a minha pequena e íntima coleção de livros, poucos livros realmente me marcaram, e esse é um deles.

Esse livro conta a história de Emma e Clementine. Aceitação, a mente confusa de um adolescente. E amor. O que se faz quando o amor é encontrado em uma pessoa do mesmo sexo?

Mas ele não é apenas um livro comum que aborda um romance entre duas meninas. Ele abrange todos os sentimentos da personagem principal. Existe todo um contexto por trás da história. Existe um mundo real cheio de preconceitos, envolve aceitação, tanto própria tanto familiar e da sociedade.

A personagem principal passa muitas coisas, a história é contada em narrativa, por isso, compreendemos muito bem os sentimentos dela. O que ela está passando e sua confusão perante sua sexualidade. Sua adolescência, contribui para essa constante confusão, mas Clementine possui um forte aliado que a ajuda a entender que seus pensamentos não são tão errados assim.

"Terrível são as pessoas se matando por petróleo, as pessoas responsáveis por genocídios... e não querer dar amor a uma pessoa. E o que é mais terrível é que as pessoas digam para você que é errado se apaixonar só porque a pessoa é do mesmo sexo que você"

Esse livro é um quebrador de tabu, por assim dizer. Ele traz muita polêmica no lombo de seu nome, inclusive cenas de sexo explícitas.

Eu o acho espetacular porque é incrível o jeito que a autora mostra o drama de Clementine. Há momentos que você quer chorar e chora, e que você sente a angústia dela, e o amor entre elas. Tudo nesse livro é intenso, as falas, os sentimentos descritos com perfeição, os acontecimentos entre Emma e Clementine... o final.

Emma.

Eu tenho uma queda por personagens de cabelo azul. Chloe, de Life is Strange por exemplo. Emma entrou na vida de Clementine sem pedir permissão, mas marcou presença. E não saiu mais. Apesar de todas as dificuldades.

Clementine tem 15 anos durante o começo do livro, como eu disse, ela é uma adolescente confusa, principalmente em relação á Emma.

O livro é ótimo, o desenho, o enredo, os personagens. Tudo! Azul é a Cor mais Quente não é um livro tão atual como Magnus Chase, mas vale muito a pena ler. Isso não era pra ser uma resenha mas eu estou tendo a leve noção que virou uma resenha. Mas é isso. Azul é a Cor mais Quente me marcou e essa frase também:

"Emma… Você tinha me perguntado se eu acreditava no amor eterno. O amor é abstrato demais, e indiscernível. Ele depende de nós, de como nós o percebemos e vivemos. Se nós não existíssemos, ele não existiria. E nós somos tão inconstantes… Então, o amor não pode o ser também. O amor se inflama, morre, se quebra, nos destroça, se reanima… nos reanima. O amor talvez não seja eterno, mas a nós ele torna eternos… Para além da nossa morte, o amor que nós despertamos continua a seguir o seu caminho."

Nenhum comentário:

Postar um comentário